16 de janeiro de 2008

Argumentações infindáveis...



Suzane Richthofen, condenada definitivamente a 39 anos de reclusão e seis meses de detenção pelo assassinato dos pais, ingressou com pedido de Habeas Corpus junto ao STJ. Ela está presa na penitenciária feminina Santa Maria Eufrásia Pelletier, no município de Tremembé (SP).

Suzane e os irmãos Daniel e Christian Cravinhos foram condenados, em julho de 2006, pelo 1º Tribunal do Júri de São Paulo, na Barra Funda. Suzane e Daniel, seu ex-namorado, foram condenados a 39 anos e seis meses de prisão. Christian terá de cumprir 38 anos e seis meses.

O advogado de defesa de Suzane pede a anulação do julgamento, alegando a existência de “nulidades insanáveis e absolutas”. A lista de nulidades elencada pelo advogado vão desde erros na pronúncia e na intimação da estudante até o uso de sumula cancelada pelo Tribunal Paulista que confirmou a sentença.

O STJ agora em recesso, volta suas atividades normais no dia 1º de fevereiro. O relator do caso, ministro Hamilton Carvalhido, é considerado um dos mais severos em matéria de direito penal. Vale lembrar que o pedido de anulação do julgamento já havia sido negado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.

Manfred e Marísia von Richthofen, pais de Suzane, foram assassinados com golpes de barra de ferro em outubro de 2002, enquanto dormiam, em casa, no Brooklin (zona sul de São Paulo).

Veja movimentação do HC:

PROCESSO : HC 98313
UF: SP
REGISTRO: 2008/0003792-2

HABEAS CORPUS
IMPETRANTE
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO
RELATOR(A)
:
Min. HAMILTON CARVALHIDO - SEXTA TURMA
ASSUNTO
:
Penal - Crimes contra a Pessoa (art.121 a 154) - Crimes contra a vida - Homicídio ( art. 121 ) - Qualificado
LOCALIZAÇÃO
:
Entrada em COORDENADORIA DA SEXTA TURMA em 15/01/2008

NÚMEROS DE ORIGEM
DENIVALDO BARNI
IMPETRADO 10040893 52020043548
PARTES E ADVOGADOS
IMPETRANTE:

2 comentários:

Arthurius Maximus disse...

A verdade dos fatos é que, cedo ou tarde, o clima de "coitada", vai favorecê-la. Como Guilherme de Pádua, Champinha e tantos outros assassinos sádicos, nossa "justiça" não tardará em "encaminhá-los" para o convívio da sociedade. É uma pena que a civilização tenha abolido o "olho por olho".

Anônimo disse...

Sou contra o olho por olho; pois como disse Gandhi; se essa fosse a prática, estaríamos todos cegos. Entetanto, sou a favor de punições exemplares amplamente divulgadas e revisão das leis que permitem que pessoas como essa possam, depois de um tempo, viver normalmente como nós. Além do mais, a mídia marrom e sensacionalista prejudica bastante ... Bobby Bishop - www.h18.blogger.com.br