2 de fevereiro de 2008

Instrução Normativa 811: a resposta do Leão ao final da CPMF.


Foi publicada na ultima terça feira a instrução normativa nº 811 da Receita Federal, que regulamenta a quebra do sigilo dos correntistas de bancos.

Esta era a regulamentação de faltava para que os bancos passassem a ser obrigados a repassar a Receita Federal informações financeiras dos correntistas. A instrução normativa 811 criou a nova Declaração de Informações sobre Movimentação Financeira (DIMOF), regulamentando a IN 802 que prevê a quebra do sigilo. A instrução está em vigor.

A Instrução Normativa 802 obriga os bancos a repassar informações dos correntistas cuja movimentação semestral supere R$ 5 mil no caso de pessoas físicas e R$ 10 mil no caso de pessoas jurídicas. Agora com a regulamentação, os bancos terão de fornecer as informações nas operações de depósitos à vista e a prazo, pagamentos feitos em moeda corrente ou em cheques, emissão de ordens de crédito ou documentos assemelhados e resgates à vista ou a prazo.

O artigo 2º, parágrafo 2º, diz que será proibido identificar a origem ou o destino dos recursos utilizados nas operações financeiras. O banco que não apresentar a Dimof ou o fizer de forma inexata estará sujeito à multa.

A fiscalização das contas bancárias já vinha acontecendo através da CPMF. Se houvesse indicativo de movimentação acima de 5 mil de uma pessoa física por exemplo, automaticamente ela já caia na malha fina. Agora com o final da CPMF a Receita precisava encontrar um meio de manter o acesso às informações bancárias dos contribuintes. A IN 811 foi a resposta.

Antes mesmo de ser publicada no Diário Oficial, a eficácia da IN 802 já estava suspensa para os advogados do estado do Ceará, por causa de uma
liminar conseguida pela OAB-CE na Justiça do estado.

A IN 802 é ainda alvo de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade proposta pelo Conselho Federal da OAB, que afirma ser a IN inconstitucional, por ofensa ao artigo 5°, incisos X, XII e LV da Constituição Federal, que tratam do devido processo legal e da intimidade e vida privada.

“A Constituição define que qualquer quebra de sigilo, seja bancário, fiscal ou telefônico, à margem de ordem judicial, é inconstitucional e não pode prevalecer no ordenamento jurídico do país”, sustenta a Ordem.

A ministra Ellen Gracie, presidente do Supremo Tribunal Federal, já mandou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviar informações ao STF sobre a Instrução Normativa. Depois de receber as informações do Palácio do Planalto e do Congresso Nacional, a presidente do STF dará vista do processo ao advogado-geral da União e ao procurador-geral da República.


Leia a IN 811, que regulamenta a IN 802:

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 811,
DE 28 DE JANEIRO DE 2008

Institui a Declaração de Informações sobre Movimentação Financeira (Dimof) e dá outras providências.
O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso da atribuição conferida pelo art. 224, inciso III, do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF nº 95, de 30 de abril de 2007, e tendo em vista o disposto no art. 5º da Lei Complementar nº 105, de 10 de janeiro de 2001, no Decreto nº 4.489, de 28 de novembro de 2002, no art. 16 da Lei nº 9.779, de 19 de janeiro de 1999, no art. 30 da Lei nº 10.637, de 30 de dezembro de 2002, e na Instrução Normativa RFB nº 802, de 27 de dezembro de 2007, resolve:

Art. 1º Instituir a Declaração de Informações sobre Movimentação Financeira (Dimof), cuja apresentação é obrigatória para os bancos de qualquer espécie, cooperativas de crédito e associações de poupança e empréstimo.
Art. 2º As instituições financeiras de que trata o art. 1º prestarão, por intermédio da Dimof, informações sobre as seguintes operações financeiras efetuadas pelos usuários de seus serviços em conta de depósitos ou conta de poupança:

I — depósitos à vista e a prazo;
II — pagamentos efetuados em moeda corrente ou em cheques;
III - emissão de ordens de crédito ou documentos assemelhados;
IV - resgates à vista ou a prazo.

§ 1º As informações de que trata o caput compreendem a identificação dos titulares das operações financeiras, pelo número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) ou no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ), e os montantes globais mensalmente movimentados.
§ 2º É vedada a inserção de qualquer elemento que permita identificar a origem ou o destino dos recursos utilizados nas operações financeiras de que trata o caput.
§ 3º Para fins do disposto no § 1º considera-se, de forma isolada, montante global mensalmente movimentado:
I - o somatório dos lançamentos a crédito efetuados no mês, nas operações financeiras de que trata o inciso I do caput;
II - o somatório dos lançamentos a débito efetuados no mês, vinculados às operações financeiras de que tratam os incisos II, III e IV do caput;

§ 4º Na apuração dos montantes globais mensalmente movimentados, as instituições financeiras não deverão considerar os lançamentos:
I - a débito ou a crédito referentes a estornos contábeis;
II - de juros pagos ou creditados a título de rendimento de aplicações financeiras nas contas de poupança;
III - de transferências entre contas de depósito e contas de poupança do mesmo titular.

§ 5º Na hipótese em que a pessoa física ou jurídica seja titular de mais de uma conta de depósito ou de poupança em uma mesma instituição financeira, as informações sobre os montantes globais mensalmente movimentados deverão ser consolidadas, de acordo com os incisos I e II do § 3º, para fins de prestação de informações na Dimof.

§ 6º Em relação a contas de depósito ou de poupança tituladas por mais de uma pessoa física, as informações sobre os montantes globais mensalmente movimentados nas mesmas deverão ser prestadas em nome do primeiro titular.

Art. 3º As instituições financeiras de que trata o art. 1º estão obrigadas à apresentação das informações, em relação aos titulares das operações financeiras mencionadas no art. 2º, quando o montante global movimentado, em cada semestre, for superior a:
I - R$ 5.000,00 (cinco mil reais), no caso de pessoas físicas;
II - R$ 10.000,00 (dez mil reais), no caso de pessoas jurídicas.

§ 1º Para fins do disposto no caput, considera-se montante global movimentado em cada semestre o somatório dos montantes globais movimentados mensalmente nos meses de janeiro a junho e de julho a dezembro, correspondendo ao primeiro e ao segundo semestres de cada ano, respectivamente.

§ 2º Os limites mencionados no caput deverão ser aplicados isoladamente em relação a cada um dos somatórios dos montantes globais movimentados de que tratam os incisos I e II do § 3º do art. 2º;

§ 3º Na hipótese em que o somatório, no semestre, de qualquer um dos montantes globais
movimentados de que tratam os incisos I e II do § 3º do art. 2º seja superior aos valores estabelecidos nos incisos I e II do caput, as instituições financeiras deverão prestar as informações relativas aos demais montantes globais movimentados mensalmente, ainda que para estes o somatório semestral seja inferiores aos referidos limites.

Art. 4º A Dimof deverá ser apresentada, em meio digital, mediante a utilização de aplicativo a ser disponibilizado na página da Secretaria da Receita Federal do Brasil na Internet, no endereço www.receita. fazenda.gov.br:
I - até o último dia útil do mês de fevereiro, contendo as
informações relativas ao segundo semestre do ano anterior; e
II - até o último dia útil do mês de agosto, contendo as informações relativas ao primeiro semestre do ano em curso.
Parágrafo único. Excepcionalmente, em relação ao primeiro semestre de 2008, a Dimof poderá ser apresentada até 15 de dezembro de 2008.

Art. 5º A alteração de declaração já entregue será efetivada mediante apresentação de declaração retificadora (Dimof-Retificadora), que conterá todas as informações anteriormente declaradas, ainda que não sujeitas à alteração, bem assim as informações a serem adicionadas, se for o caso.
Parágrafo único. A Dimof-Retificadora substituirá, integralmente, as informações apresentadas na declaração anterior, vedada a complementação.

Art. 6º As instituições financeiras obrigadas à entrega da Dimof deverão conservar cópia dos sistemas utilizados para processamento das movimentações mensais, bem como das bases de dados processadas, de forma a possibilitar a recomposição e comprovação das informações constantes na Dimof, enquanto perdurar o direito de a Fazenda Pública constituir os créditos tributários decorrentes das operações a que se refiram.

Art. 7º A não apresentação da Dimof ou sua apresentação de forma inexata ou incompleta sujeitará a instituição financeira às seguintes penalidades:
I - R$ 50,00 (cinqüenta reais) por grupo de cinco informações inexatas, incompletas ou omitidas;
II - R$ 5.000,00 (cinco mil reais) por mês-calendário ou fração, independentemente da sanção prevista no inciso I, na hipótese de atraso na entrega da Dimof.

§ 1º As multas de que trata este artigo serão:
I - apuradas considerando o período compreendido entre o dia seguinte ao término do prazo fixado para a entrega da declaração até a data da efetiva entrega;
II - majoradas em 100% (cem por cento), na hipótese de lavratura de auto de infração.

§ 2º Na hipótese de que trata o inciso II do § 1º deste artigo, caso a instituição não apresente a declaração, serão lavrados autos de infração complementares até a sua efetiva entrega.

Art. 8º A omissão de informações, o retardo injustificado ou a prestação de informações falsas na Dimof configura hipótese de crime nos termos do art. 10 da Lei Complementar nº 105, de 10 de janeiro de 2001, e do art. 2º da Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, sem prejuízo das demais sanções cabíveis.

Art. 9º A Coordenação-Geral de Fiscalização e a Coordenação- Geral de Tecnologia e Segurança da Informação adotarão as providências necessárias para implementação do disposto nesta Instrução Normativa.

Art. 10. Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.
JORGE ANTONIO DEHER RACHID

4 comentários:

Dmitry disse...

Isso foi uma das coisas mais absurdas que o governo Lula já fez (e olha que já fez muito absurdo)!

Engraçado que para saber de onde o dinheiro vem e para onde vai não precisa. Pode continuar lavando dinheiro na boa, só quem dança é o laranja.

Acho que o nome sigilo bancário pode ser abolido de nossa enciclopédia. Fico sempre espantado com a gana por arrecadação de impostos que nossos atuais governantes apresentam, Só falta mostrar para onde vai tanto dinheiro.

Arthurius Maximus disse...

Acho que a falha é a não identificação da origem e do destino do dinheiro. Pois sem isso, a única praticidade da norma é a arrecadação de impostos. Até aí tudo bem. Só que seria um ótimo meio de detectar a lavagem de dinheiro. Mas isso não interessa a muitos políticos. Sinceramente, o ideal era que não houvesse sigilo bancário no país. (pelo menos para órgãos oficiais)

Jadson disse...

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, classificou como inconstitucional a medida da Receita Federal criada para fiscalizar as operações financeiras depois do fim da CMPF. ‘O Supremo, se convocado a se pronunciar, restabelecerá a supremacia da Constituição. Não tenho a menor dúvida’, afirmou o ministro. ‘Conheço o Supremo como ninguém’, ressaltou em entrevista a O Estado de S.Paulo no dia 31 de dezembro de 2007.

Marco Aurélio disse que há decisões anteriores do STF que formam jurisprudência, reforçando a garantia do sigilo bancário. ‘Vejo (a decisão do governo) como menosprezo aos pronunciamentos do Supremo e isso não é bom para o aprimoramento democrático.’ A Constituição, ressaltou ele, só permite a quebra de sigilo bancário autorizado pela Justiça, para efeito de investigação criminal, depois de apresentados fundamentos para isso. ‘Esse automatismo transforma a exceção em regra. É jogar todos na vala comum, como se todos fossem sonegadores’, criticou. ‘No afã de arrecadar, não podemos agir a ferro e fogo.’

Têmis disse...

Olá Jadson,

Vamos aguardar a decisão do Supremo sobre o assunto. São 2 ADI que estão em andamento - ADI 4006 e ADI 4010.

Se trata realmente de uma decisão "tipo que" anunciada. Mas como boa brasileira que sou, eu pago para ver. Quando o assunto é Governo Federal x STF é bom sempre manter as barbas de molho.

Eu vou ficar de olho para publicar a decisão em primeira mão.

Um grande abraço e volte sempre!